bg

"Si vis pacem, para bellum III" - Inteligência & Cidadania

(Até quando você vai ficar levando porrada?)

Artigo de André Soares - 25/11/2012

 

Todas as pessoas seguem uma filosofia de vida, mesmo sem ter consciência disso. Porque tanto o ato de viver, como o de simplesmente existir nesse mundo, requer um propósito. Aliás, você sabe qual é o propósito da sua vida? Todavia, para a consecução do propósito de vida é necessário ter-se uma estratégia, a qual se fundamenta numa doutrina orientadora que é a filosofia de vida. Ou seja, a filosofia de vida é a teoria, a estratégia de vida é a prática e o propósito de vida é a motivação de viver. Portanto, qual é a sua filosofia de vida?

 

Pois, essa resposta Gilberto descobriu naturalmente em sua infância e com o inestimável auxílio da sabedoria de seu saudoso avô. Ele contribuiu sobremaneira no aprimoramento de sua Inteligência Operacional, cujo lema é “Si vis pacem, para bellum”, que significa “Se queres a paz, prepara-te para a guerra”.

 

Episódio especial das reminiscências de Gilberto com seu avô foi o dia em que, ainda criança, brigou com o líder de uma gangue de rua. Isso aconteceu porque Gilberto não aceitou ser assediado como alvo de “bullying” por parte dessa quadrilha infanto-juvenil, cuja inação social em relação a esses delinquentes é a verdadeira escola formadora das organizações criminosas do futuro.

 

Quando Gilberto chegou em casa depois da briga, machucado e enfurecido, evidentemente que seu avô pressentira exatamente o que havia ocorrido. Contudo, seu avô sabia também que o orgulho e a dignidade de seu neto não lhe permitiriam compartilhar a profunda dor que invadia o espírito daquela jovem criança, muito superior aos traumatismos que sofrera no próprio corpo.

 

Dessa forma, do alto do seu tirocínio, seu avô aproximou-se cautelosamente de Gilberto que se isolara em seu quarto. E como sabia que seu neto nada lhe diria, disse-lhe apenas:

Gilberto, vou te contar uma história sobre inimigos.

Nesse instante, mesmo recôndito, silente e imóvel, Gilberto ficou todo ouvidos.

E seu avô prosseguiu dizendo:

Se um dia, alguém te ameaçar e quiser ser seu inimigo, você tem duas alternativas possíveis:

Primeira: ou você não faz nada e finge que nada aconteceu.

Segunda: ou você mete a porrada mais forte que puder, bem no meio do 'escórnio' dele.

 

Nesse momento, apesar de quieto e sem mesmo olhar para seu avô, Gilberto concentrou-se naqueles sábios ensinamentos que lhe estavam por serem revelados.

E seu avô continuou:

Bom, Gilberto, se você não fizer nada e fingir que nada aconteceu, a partir de então, não apenas você continuará a ser ameaçado por esse inimigo, como também outros inimigos passarão a te ameaçar.

Agora, meu querido Gilberto, se você meter a porrada mais forte que puder, bem no meio do 'escórnio' dele, há também duas alternativas possíveis.

 

Nesse momento, a mente de Gilberto estava totalmente concentrada em seu avô, extremamente ansiosa por saber a verdade derradeira que estava por ser desvelada.

E seu avô prosseguiu:

Portanto, meu caro Gilberto, se você meter a porrada mais forte que puder, bem no meio do 'escórnio' dele, as duas alternativas possíveis é que: ou você vai bater, ou você vai apanhar.

E, então, seu avô fez uma breve pausa, em que ambos se entreolharam bem no fundo de suas almas, e seu avô concluiu:

Mas, uma coisa é certa, meu querido neto. A partir de então, esse ou qualquer outro inimigo nunca mais vai te ameaçar, ou querer ter você como inimigo.

 

A verdade é que depois disso aquela gangue de rua não mais incomodou Gilberto, que passou a ser mais respeitado e inclusive admirado por seus próprios colegas. Ao longo de sua vida, Gilberto aprimorou-se em Inteligência Operacional como sua filosofia de vida, para enfrentar os inimigos poderosos que sabia que se interporiam em seu caminho, em razão do seu propósito de vida.

 

Venceu a todos, conquanto o regozijo e a recompensa da merecida vitória não seja o seu principal propósito. Porque a sabedoria que seu avô lhe ensinara em Inteligência Operacional é que o mais importante não é a certeza da vitória. Pois, a maior força que se pode alcançar é a energia inesgotável e o poder arrebatador de lutar, sem temer a derrota. Visto que a paz não é uma dádiva, mas sim uma conquista. Por isso, “aquele que não estiver disposto a lutar pela sua paz, não a merece”.

"Saudades do meu avô".

 

 

 

 


 
 
Voltar ao topo